menu
keyboard_arrow_down
Português (Brasil)
Bitcoin 101

O que é Bitcoin? Examinando o contexto histórico

O que é Bitcoin, afinal? Dinheiro mágico da internet? Uma revolução financeira? Um esquema de pirâmide? Nesta série de três artigos, Cloudbet explica todos os bits por trás da moeda. Na primeira parte, descobrimos o contexto histórico que levou ao surgimento do Bitcoin.

Literalmente, Bitcoin é um sistema de caixa eletrônico ponto a ponto, conforme afirmado por seu (s) criador (es), o (s) indivíduo (s) misterioso (s) que se chama (m) pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto. Embora essa descrição tenha se revelado um tanto precisa, o tempo mostrou que o impacto do Bitcoin se estenderia muito além dessa declaração pragmática de intenção.

O Bitcoin ganhou asas e, como a criação de Frankenstein, uma vida própria.
E agora, o gato está fora do saco. Está vivo.

No contexto: uma breve história das raízes do Bitcoin

Antes de entrarmos nos comos, vamos dar uma breve olhada em como isso acontece.

2008 foi um ano agitado. Talvez ameaçadoramente, O Cavaleiro das Trevas trouxe o rosnado de volta ao mainstream. Katy Perry beijou uma garota (e gostou). E a economia mundial desmoronou com a maior crise financeira da história.

As pessoas assistiram em desespero enquanto as economias de suas vidas evaporavam pela trapaça ou pela incompetência dos maiores bancos e nações do mundo. A confiança institucional atingiu o nível mais baixo de todos os tempos, já que todo o sistema se mostrou incapaz de (ou sem vontade de) evitar o colapso.

O aumento da inflação significou que as perdas afetaram não apenas os acionistas ricos, mas a todos. As moedas Fiat em todo o conselho foram diluídas para pagar a conta que, piorando ainda mais a situação, incluía uma taxa de serviço (na forma de grandes bônus) para as pessoas que habilitaram a coisa toda.

Tempos complicados.

Temos problemas de confiança

Bem, a maior vítima deste banho de sangue foi a confiança. E, por acaso, a confiança vai muito além de aceitar os elogios românticos de seu colega de trabalho como verdadeiros. A confiança é o cimento social que permite a colaboração humana.

A confiança brota naturalmente dentro das famílias e em pequenas comunidades onde todos se conhecem. No entanto, à medida que as sociedades cresciam e os negócios se tornavam mais impessoais, a necessidade de colaboração entre estranhos tornou-se menos exceção e mais regra, e a necessidade de um navio aerodinâmico para a confiança tornou-se cada vez mais evidente.

É aí que o dinheiro entra.

Me mostre o mon-ay

O valor do dinheiro não está no papel em que foi impresso ou no metal de onde foi cunhado. Nem em quantos zeros você tem em sua conta bancária, ou porque algum governo assim o diz.

Um dólar é um token, uma mensagem IOU que traduz a dívida em uma linguagem universalmente aceita, mensurável e responsável. Ele só tem valor enquanto as pessoas confiarem que outras pessoas o aceitarão, e somente na medida em que elas coletivamente acreditam que terá.

As moedas são encarnações do dinheiro desenvolvido dentro (e geralmente controlado por) estados-nação. Elas são acordadas - ou às vezes aplicadas - convenções para facilitar a troca de valor entre estranhos. As moedas assumiram inúmeras formas ao longo do tempo. Antes dos cartões de crédito, notas e moedas, havia ouro, sal, conchas, gado, cereais e até pedras gigantes em forma de donut.

Tudo isso foi usado em algum momento como reservas de valor, unidades de conta e meio de troca, as três funções fundamentais do dinheiro. E durante o tempo em que estiveram em uso, cada um deles atendeu - com sucesso variável - os seis requisitos de dinheiro:

  • Durabilidade: um bom dinheiro não se degrada e armazena valor por mais tempo;
  • Portabilidade: o dinheiro é menos útil se for difícil de ser movido;
  • Divisibilidade: a precisão leva a trocas de valor mais precisas;
  • Uniformidade: múltiplas instâncias para o mesmo valor cria incerteza;
  • Aceitabilidade: quanto mais as pessoas o aceitam, mais útil é;
  • Oferta limitada: se o dinheiro for fácil de conseguir, será menos valioso (levando à inflação).

O dinheiro em si, no entanto, é mais do que a soma dessas características; o dinheiro é um símbolo. O dinheiro é confiança cristalizada.

É a economia, estúpido!

Para simplificar demais, nosso sistema financeiro pode ser visto sob essa luz como um meio de armazenar, comunicar e administrar a confiança. O fato é que gerenciar essa confiança não é fácil. E à medida que nossa atividade econômica cresceu, dimensionar um sistema para gerenciar a confiança de todos tornou-se cada vez mais difícil.

No século 21, "A Economia" se acelerou em um emaranhado tão complexo e abstrato que se tornou praticamente independente da realidade da maioria das pessoas. Em 2008, essa complexidade atingiu seu ápice com empréstimos subprime, MBS, CDOs, CDSs e todo um alfabeto de acrônimos para produtos financeiros "inovadores” que eram tão complicados que ninguém os entendia. Não mesmo. As coisas ficaram tão esotéricas que Wall Street estava contratando físicos para tentar dar sentido a tudo isso. Seriamente. Claro que alguém devia estar zelando pela economia para que nada de ruim saísse disso, certo?

Para lidar com a complexidade financeira crescente, a maioria dos estados modernos desenvolveu uma entidade de controle central que se tornou o administrador de fato da confiança coletiva (financeira): os bancos centrais.
Manipuladas por burocratas altamente especializados, a principal tarefa dessas instituições financeiras é supervisionar a economia de um país e gerenciar sua política monetária para afastá-lo da recessão, inflação e outros males.

No papel, a maioria dos bancos centrais é projetada para operar com bastante independência em relação à politicagem inconstante de governos eleitos (pelo menos em países democráticos). Esses servidores públicos se reportam (até certo ponto) a funcionários eleitos que são (pelo menos em teoria) responsáveis ​​perante o público, e esses dois grupos trabalham em conjunto para redigir e promulgar regulamentos financeiros. O que poderia dar errado?

De mãos dadas, trabalham incansavelmente para alcançar o bem comum, sempre colocando o interesse público acima do seu, em um sistema transparente e de fácil acesso que visa a estabilidade de longo prazo, não ganhos de curto prazo. Exceto..

Para surpresa de absolutamente ninguém, a realidade mostrou que não é esse o caso. Ou pelo menos alguns dos casos. Muitos casos aconteceram em 2008, e a confiança foi quebrada em grande momento.

E como qualquer um que já foi pego mentindo sabe, a confiança é um vaso difícil de consertar.

Vamos fazer uma recapitulação rápida::

  • Pior recessão da história
  • Os governos resgatam os responsáveis ​​com dinheiro público
  • Bonanza de bônus para todos os envolvidos
  • Nada muda

Se há uma lição em tudo isso é, mesmo que haja salvaguardas para mitigar isso, as pessoas sempre encontram uma maneira de abusar da confiança. Isso é ruim o suficiente quando uma única pessoa é afetada pelo abuso, quanto mais por toda a maldita economia do mundo.

Ficou claro que poderíamos nos beneficiar ao retirar esses pontos de falha (também conhecidos como humanos) do sistema, tanto quanto possível, e que um sistema que não requer - ou pelo menos requer menos - confiança era desejável. Mas como? Claro que esse sistema sem confiança era impossível. Se as pessoas não são confiáveis, o que pode?

No código, nós confiamos

Por acaso, desde o início da década de 1990, um grupo alegre de geeks obcecados pela privacidade vinha trabalhando incansavelmente em possíveis soluções para esse mesmo problema. Nascido por volta de 1992 como uma lista de mala direta, esse grupo se autodenominou “Cypherpunks” em referência lúdica (ou talvez reverência) ao subgênero de ficção científica.

No início, o foco do grupo era discutir conceitos de alto nível, como criptografia, privacidade e liberdade individual. Esses ideais compartilhados foram traduzidos em bytes em um manifesto de 1993 do hacker Eric Hughes. Este documento, presumivelmente rejeitado pela intelectualidade contemporânea como o sonho úmido de um libertário, foi a premonição do que estava por vir:

Privacy em uma sociedade aberta requer sistemas de transação anônima. Até agora, o dinheiro tem sido o principal sistema desse tipo. Um sistema de transação anônimo não é um sistema de transação secreto. Um sistema anônimo capacita os indivíduos a revelar sua identidade quando desejado e somente quando desejado; esta é a essência da privacidade.

- O Manifesto Cypherpunk - Eric Hughes (1993)

Antes de você condescender com condescendência como "apenas uma cruzada nerd estúpida" e fazer uma piada sobre o porão de seus pais, encorajamos você a dar uma olhada em alguns dos nomes que saíram das fileiras dos cypherpunks:

Os participantes estavam espalhados por todo o espectro político e possuíam uma vasta gama de crenças, mas uma coisa que todos pareciam compartilhar era um profundo desprezo pelos poderes centralizados e pelo atual sistema político-financeiro. Eles se opuseram ao que consideravam o fortalecimento cada vez maior do estado e o declínio constante das liberdades individuais.

Durante quase duas décadas, embora às vezes discretamente, eles foram um dos mais fortes defensores pró-privacidade e pró-liberdade de uma Internet incipiente. Por meio de seu ativismo (e ações), eles ajudaram a moldar o antro de trolls dançantes de Rick Astley, dominado por gatos e governado por mídia social, que agora chamamos de web. E sim, poderia ser muito, muito pior.

Alguns cypherpunks, incluindo Adam Back, Wei Dai, Hal Finney, Nick Szabo e o (s) indescritível (s) indivíduo (s) que usavam o pseudônimo de “Satoshi Nakamoto”, foram ainda mais longe. Do jeito que estava, eles se encarregaram de tentar encontrar uma solução para o que consideravam a falha mais fundamental de todo o sistema: o controle da moeda pelo estado. Você sabe, porque o estado estava fazendo um ótimo trabalho?

Para esses geeks visionários, a maneira de fazer isso era óbvia: remover o elo mais fraco (pessoas) dos controles, em vez de entregar a execução da operação à implacável e incorruptível lógica do código.

Desde o ecash de David Chaum, várias tentativas foram feitas em um sistema de caixa eletrônico (como o hashcash de Adam Back, o b-cash de Wei e o Bit Gold de Szabo), mas até então, todos eles falharam por um motivo ou outro. No entanto, uma iteração de cada vez, eles estavam lentamente construindo essa visão de uma moeda digital anônima, segura e quase instantânea.

Em 2008, a maioria dos componentes tecnológicos já estava lá; bastou alguém com aquela centelha de gênio para colocá-los todos juntos. Então, após várias iterações e melhorias nos trabalhos de muitos antecessores brilhantes, naquele fatídico 31 de outubro, Satoshi finalmente decifrou o quebra-cabeça.

No entanto, não é suficiente para uma peça de tecnologia ser revolucionária. Mesmo que uma determinada tecnologia seja mais segura, melhor e mais rápida do que tudo o que temos, para realmente causar um impacto e mudar o mundo, há um ingrediente chave que precisa estar presente: o interesse público.

Isso parece muito fácil em teoria. Por que o público não estaria interessado? No entanto, como muitos empreendedores descobriram, não é assim que funciona.

Qualquer mudança na ordem estabelecida encontra forte resistência por parte dos poderes constituídos. Isso era verdade para os números árabes, lâmpadas e carros elétricos, muito menos quando você está indo contra todo o estabelecimento financeiro, que só podemos imaginar como se gabando de um selo de vagabundo "se não está quebrado, não conserte" ensolarada praia particular das Ilhas Cayman.

Até então, tudo parecia estar funcionando bem, então por que alguém deveria se importar?

Talvez seja revelador o fato de que, ao mesmo tempo, a crise financeira de 2008 atingiu o auge e ficou flagrantemente claro que algo estava realmente quebrado. E de repente o Bitcoin não era mais apenas um sonho libertário-geek.

Digite Bitcoin

Satoshi Nakamoto, quem quer que seja, trouxe algo que muitas pessoas realmente inteligentes acreditam que vai mudar o mundo. O Bitcoin mantém promessas além das aplicações financeiras óbvias que já possui. Como um novo paradigma de rede e sistema de gerenciamento de confiança inovador, tem o potencial de revolucionar uma miríade de empreendimentos humanos.

Por quê? Na segunda parte deste artigo, exploramos o que exatamente o Bitcoin faz, como ele faz e por que você deveria se preocupar com isso. Depois de dar uma olhada nos bastidores, na terceira e última parte exploramos onde está o Bitcoin agora, observamos todo o ecossistema e tentamos entender o que está no futuro.

Join Now

Cloudbet is one of the first bitcoin sportsbook and casino operators in the crypto space. We have hundreds of bitcoin slots and dozens of table games to play, with free play options to try before you buy in our bitcoin casino. You can also read more on betting strategies, bitcoin 101, and in-depth crypto stories here in the Cloudbet Blog.